Verão e o aumento de casos de infecção urinária

Publicado em 25 de janeiro de 2019 por Nayra Andrade.

Com as altas temperaturas e o verão temos um período propenso a diversão, com sol, praias e piscinas, mas também é momento de dar uma maior atenção à saúde. No verão, há um aumento na incidência de infecções urinárias, principalmente nas mulheres, que possuem a uretra mais curta do que os homens, o que facilita a entrada de bactérias no canal urinário, seguindo para a bexiga.

Nos períodos mais quentes a principal causa das infecções do trato urinário é a desidratação. A perda de líquidos pelo suor e respiração, nessa época, não é reposta em como devido, o que gera menor quantidade de urina. Isso soma-se também ao aumento da umidade em áreas íntimas durante o verão, na qual determina mudanças na população de bactérias e germes comuns dessa região, causando um desequilíbrio que propicia o desenvolvimento de infecções.

Existem diversos tipos de infecções urinárias. As mais simples são as que se caracterizam com sintomas de dores no baixo ventre, ardência ao urinar e maior frequência urinária. Em alguns casos é possível que ocorra sangramento ao urinar, isso acontece quando a infecção atinge apenas a uretra e a bexiga, quadro clínico denominado uretrite e cistite.

Há riscos da doença afetar os rins, com formação de abscesso ou disseminação sistêmica. Em estágio mais avançado, é possível provocar quadros graves de infecção generalizada. Por isso é importante manter-se sempre hidratado e monitorando qualquer alteração no organismo.

Confira agora, algumas dicas que a Sociedade Brasileira de Nefrologia divulgou como forma de prevenção da infecção urinária neste verão:

  • Revisar os hábitos de higiene durante as micções; utilizar água e sabonete após as evacuações, com cuidado no direcionamento do fluxo de água para o enxague.
  • Regularizar o ritmo intestinal, pois longos períodos de constipação permitem a proliferação bacteriana pela presença de fezes ressecadas na ampola retal.
  • Preferência por uso de roupa íntima de algodão, evitando tecidos sintéticos e modelos “colados” ao corpo.

A Sociedade Mineira de Nefrologia lembra que alguns fatores devem ser avaliados, em particular casos de pessoas que já apresentaram episódios repetidos de infecção urinária, relacionados aos hábitos higiene, ingestão de líquidos, número e distribuição de micções ao longo do dia, função intestinal e exame ginecológico regular, a fim de receberem orientações para evitar recorrência dessas infecções. 

Procure seu nefrologista e mantenha sua saúde em dia!